sábado, 10 de maio de 2008

E Quem Se Importa?

- Tia, dá um trocado?

- Hoje o professor de fisiologia entregou as provas, tirei meio.

- Tá falando comigo?

- Gente, meio! E ainda me entregou a prova com aquela cara de “Pensou que fisiologia é fácil?”. Ai, eu odeio quando o professor acha a matéria dele mais importante que a dos outros. Dá vontade de dar um tiro, né?

- Não sei, eu só fiz escola até a segunda série... Mas e o trocado, você tem?

- Agora vou ter que deixar de ver o top 15 MTV pra estudar... Muito tiste(carinha tiste).

- E daí, porra? Não quer me dar dinheiro fala logo!

Babi andava pela rua tão imersa nos próprios pensamentos que nem percebeu o moleque enfiando a mão na sua bolsa e roubando seu celular. Parou no ponto de ônibus, e começou a contar a qualquer um que estivesse perto dela sobre a divertida viajem com suas amigas a Saquarema. Isso sem deixar escapar qualquer pequeno detalhe desinteressante, e historias engraçadas que não tiveram graça nem quando aconteceram. Desesperadas, as pessoas pegavam o primeiro ônibus que passava, mesmo sabendo que era o ônibus errado, apenas para escapar da narrativa mocoronga. Finalmente chegou o ônibus de Babi, ela entrou e sentou no corredor, ao lado de um senhor de seus setenta anos, que cochilava tranqüilamente após um longo dia de trabalho senil. Mas o velho acordou assustado quando Babi deu um grito histérico sem qualquer explicação aparente.

- BAIXEI O DISCO NOVO DO BON JOVI HOJEEEEEE!!!

-AI, MEU DEUS!!! Que isso, que é que aconteceu?

- Caraleo, muito fodaaaaaaa, woohoo!!!

- Que é que houve, minha filha, pelo amor de Deus!?

- O Bon Jovi novo é um absurdo de bom!

- Hã?

- Sério, desde que saiu o “Horse’s cock” que eles não lançam um disco tão maravilhoso!

- Que merda é essa que você tá falando, menina?

- Ai, a música “Forehead Love” é muito linda… Gente, impossível não chorar ouvindo ela, love you in the forehead..., aí eu começo a pensar no Paulinho, nos nossos três meses juntos... Me acabo!

- Peraí... Eu te conheço por acaso? Que me interessa Paulinho? Que é que eu tenho com a sua vida? Pra que você me acordou? Pelo amor de Deus...

- Mas você não tá entendendo, não tem noção de como o disco é bom! Ouve só no meu Ipod, e depois comenta o que você acha.

E o velho ouviu, por mais ou menos quinze segundos, antes de se levantar e saltar do ônibus sete pontos antes do que deveria. Como não era pessoa muita pacífica, ou boa, preferiu sair antes que enfiasse o ipod no cu da garota e fosse preso por estupro.

Chegou em casa, e seu pai já estava com a mesa servida e jantando. Babi fez seu prato e sentou-se em frente ao pai.

- E aí filha, como foi na facul hoje?

- Eu te espero/De braços e pernas abertas

- Hein?

- Por dias e meses/Agüentando enquanto posso

- Que isso?

- Arranhando as paredes/Excitada e ansiosa

- Ah, um poema? Que bonito!

- E quando você finalmente chega quase desmaio

- Que lindo, minha filha é poeta!

- Você tira aquele canhostro gigante das calças

- Canhostro?

- E eu me abro toda como uma ostra

- Babi, que isso?

- Melada como pipoca doce/Espero sua piroca doce

- Babi, pára. Sério, pára.

- Minha vulva te envolve/Você lambe mas não resolve

- Pelo amor de Deus, por que você tá me falando isso?

- Preciso do seu caralho!

- Não olha nos meus olhos enquanto fala isso, pelo amor de Deus, não olha nos meus olhos!

- Mete!/Mete seu patrusco até eu não agüentar mais!

- Pára! Pára! Eu sou seu pai, pára!

- Só com você eu jorro como cachoeira!

- Aaaaahhhhhhhh...

- Me chama de filhinha e me fode inteira!

- AAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHH!!!

E depois de vomitar em cima do prato, ele saiu em disparada para o banheiro, fechou a porta e, desesperado, engoliu uns vinte lexotans. Logo ele que nunca tinha tomado calmantes na vida. Morreu fácil.

Foi quando Babi acordou. “Foi só um sonho!”, pensou aliviada. “Acho que a partir de agora é melhor dar um tempo no meu blog. Esse sonho deve ter sido um sinal de que estou falando demais da minha vida.” Acordou feliz e foi ao banheiro, mas teve dificuldade para abrir a porta, já que o corpo do seu pai estava atrapalhando a passagem.

“É... Acho melhor dar um tempo nas anfetaminas também.”

2 comentários:

Anônimo disse...

Saquarema, um ótimo lugar =D

Tu escreve muy bem, eu sempre paro pra ler.
^^

El hombre maíz disse...

bravo, como sempre. Detalhe pro poeminha.