sábado, 12 de janeiro de 2008

Juízo Final

- Desculpe interromper, mas é que você é muito linda!

- Ah, obrigada. Mas como eu ia dizendo, eu...

- Não, não, é sério! Eu te achei muito linda desde a primeira vez que te vi, e...

- Que é que você tá falando aí, rapá?!

- Eu? Nada, só estava aqui conversando com a Daniela...

- Mas a Daniela tem dono, cumpadi!

- Bem, eu não sabia, além do mais...

- Sai daqui, cumpadi! Não arruma mulher e fica dando em cima na dos outros? Sai daqui!

- Calma, Arnaldo, por favor!

- Não, tudo bem, eu já estava indo embora, mesmo.

“Filho da puta! Sorte dele que sou um covarde. Mas no apocalipse ele vai ver só, pego a Daniela e como na sua frente! Afinal, o que ele poderá fazer, me matar? Se vai ser o dia do apocalipse, de que vai adiantar?”

Pensava muito nisso nos últimos tempos. Tinha razão, era um covarde, e não fazia nada contra qualquer um que o irritasse ou provocasse. Não era pessoa muito racional, ou compreensiva, por isso não precisava muito para irritá-lo profundamente.

“Velha escrota, olha só! Na fila de dez volumes, no entanto seu carrinho tá com doze! Ah, quando chegar o apocalipse...”

“Caralho! Eu pedi, pedi especificamente sem tomate, e o viado joga três rodelas na porra do cheesburguer! Tudo bem, vou comer, vou comer... Mas no apocalipse vou enfiar tanto tomate goela abaixo desse filho da puta que ele vai cagar Pomarola nas calças!”

“Ah, senta na mesa ao lado da minha só pra mostrar como é feliz com a mulher e os filhos, né? Esfregando a felicidade na minha cara, né? Pois no apocalipse vou cortar a cabeça dos dois pirralhos na frente dele e da mulher, e vamos ver se ele vai achar motivos pra dar risada, então!”

Seu rancor com o mundo, todo mundo, ficava cada vez mais forte, e suas idéias de vingança sem motivo real cada vez mais doentes. Não fazia planos para nada, a não ser para o dia do apocalipse. Já tinha mais de cinco cadernos em que anotava todas as suas idéias para o dia final.

Acordou as seis e meia, como sempre, e reparou no nascer do sol. Estava bem mais forte e bonito que o normal. O céu estava laranja, completamente laranja, um laranja forte, acidentado, de um jeito que ele nunca vira no céu antes. Foi até a sala e viu sua mãe sentada no sofá com as pernas cruzadas e a expressão muito serena. Ele estranhou, já que uma coisa que sua mãe nunca teve é serenidade. Normalmente tinha a cara fechada, os olhos arregalados, a boca parecia sempre prestes a escarrar, e costumava receber o filho com um grito de horror inexplicável quando ele entrava na sala. Mas dessa vez tinha uma expressão tranqüila, amorosa, que lembraria muito a da virgem Maria, isso se a virgem Maria fosse uma monstra esquizofrênica.

- O que houve, mãe?

- É o hoje, filho. O apocalipse chegou.

Disse isso em um tom de voz que ele nunca ouvira da sua mãe, um tom que lembraria muito o de um anjo, isso se os anjos tivessem voz de porco agonizante.

- Mas como assim? Como você sabe?

- Você já olhou pro céu hoje?

- Já, já, está bem laranja, é verdade, mas... Sei lá, pode ser outra coisa!

- Não, meu filho, não. É o apocalipse. Já deu na tv.

- Na tv? E a tv não pode estar errada?

- Não, meu filho. Os cientistas da tv já disseram, é mesmo o apocalipse.

- O-os cientistas, é?

- Sim, meu filho. Os cientistas.

- Ah...

Apesar de tudo, nunca pensou que esse dia realmente chegaria. Não quis assistir a cobertura do apocalipse ao vivo na Globo com a sua mãe, afinal, tinha muito o que fazer. Voltou para o seu quarto, abriu o armário e tirou de lá um dos cadernos de vingança para o juízo final. Esse era o volume dois. Ficou um bom tempo olhando para a capa, que tinha a foto de uma moça muito bonita segurando uma prancha de surf, com ondas estourando ao fundo.Reparou que tinha rabiscado dois chifres e um bigode na foto da moça bonita, além de uma piroca em sua bunda. Achou engraçado. Não abriu o caderno, e colocou-o de volta no armário. Fechou a porta do quarto, a janela e as cortinas. Sentou na cama e ficou torcendo para que não doesse.

4 comentários:

Romoal disse...

otimo texto, pena que o cara não conseguiu completar a sua vingança, hauhauahuahu.... brincadeira.

abraço.

Fer disse...

mas será que ia doer?

Anônimo disse...

moleque.. tu tem problema.. tem sim!

E o pior é que eu entro aqui diariamente pra ver se está atualizado.....

kid_limao disse...

Que cuzão!