quarta-feira, 15 de agosto de 2007

O Espelho do Imbecil

- Sabe, querida, eu tenho pensado muito no que você me disse.

- O quê?

- Aquilo sobre eu passar o dia inteiro sentado nessa poltrona assistindo televisão, sobre como eu não faço mais nada da vida, e como eu só levanto para comer, beber, e ir ao banheiro, e não contribua nada pra sociedade... Lembra?

- Ah, sim, isso. E daí?

- E daí que você está certa, eu realmente não contribuo em nada com a sociedade, e faz tempo que não trago dinheiro pra essa casa. Por isso resolvi fazer alguma coisa.

- Ai, graças a Deus, finalmente minhas preces foram ouvidas! Finalmente esse homem vai sair de casa e arrumar um emprego! Tá vendo?, Deus é pai e não é padrasto, eu sabia que um dia...

- Ow, ow, emprego? Quem falou em sair de casa pra arrumar emprego? Tá louca, filha?

- Ué, mas então o quê?

- Vou começar a vender meus órgãos.

- O quê?!

- Vou começar a vender meus órgãos. Além de ser bastante lucrativo, é um ótimo jeito de contribuir com a sociedade.

- Mas querido, você tá louco?! Como é que você vai viver sem seus órgãos?

- Mas eu não vou vender os órgãos importantes, só os que eu não tenho usado muito. Por exemplo, acho que o primeiro que vou vender vai ser meu pau.

- Seu pau?! Mas Rodolfo, como você pode vender seu pau?!

- Ah, Amélia, cala a boca! Sem hipocrisia, por favor. Você sabe muito bem que há muito tempo que eu não uso essa merda.

- Bem, isso é verdade...

- Além do mais, estão me oferecendo dez mil por ele.

- Dez mil, é?

- É.

- É... Vale a pena...

E assim foi feito. Rodolfo teve seu pau decepado. Mas fez isso com um sorriso no rosto, já que além de ganhar um bom dinheiro depois de muitos anos de total inatividade, realizou sua vontade de contribuir com a sociedade, fazendo muito feliz o Sr. Carlos, antes Sra. Carla. E Amélia, que no início ficou chocada com a idéia absurda do marido de doar o próprio pau só para não precisar sair da frente da tv e trabalhar, pareceu muito contente quando recebeu os dez mil das mãos de seu eunuco.

- Rodolfo...

- Que é, Amélia?

- Bem, Rodolfo, é que os dez mil estão acabando...

- Porra, mas já? Não passou nem três meses!

- É, seu vagabundo, mas depois dez anos sem botar um puto nessa casa, você deve imaginar que a gente ficou meio endividado, né?! Esses dez mil mal deram pra pagar as dívidas e comprar a comida e a Caracu que você bebe igual um porco!

- E o quê você quer que eu faça?

- Ah, sei lá, vende outro órgão!

- Vender outro órgão? Mas qual?

- Sei lá, como você mesmo disse, algum que você não esteja usando. O rim, por exemplo. Você tem dois, não tem?

- Sei lá, acho que sim.

- Pois então, vende um! Ou isso ou vamos ter que cortar a Caracu...

- Não, não, a Caracu não! E você tem razão, precisamos de mais dinheiro, e eu sinto que ainda não contribui o suficiente com a sociedade. Aliás, vou aproveitar e vender um pulmão também, afinal eu tenho dois, não é mesmo?

- Esse é o espírito, querido! Esse é o espírito!

- É, tá bom, agora cala a boca que vai começar a escolinha do Golias.

A única exigência que Rodolfo fez em relação ao dinheiro ganho era que comprassem para ele um frigobar e um penico, e que colocassem os dois ao lado do seu sofá, para que ele não precisasse sair da frente de sua querida tv. Fora isso, apenas pediu para Amélia “não encher mais o saco, e que gastasse o dinheiro como quisesse”.

Mas como o tempo é um filho da puta, os meses passaram e o dinheiro encolheu. Amélia começou a reclamar das contas atrasadas e o sentimento de parasita da sociedade que Rodolfo sentia voltou a crescer, e ele resolveu voltar a doar seus órgãos inúteis.

Primeiro foram as pernas, “Afinal, não vou a lugar nenhum, mesmo”, depois foram os braços, “Eu posso muito bem beber a Caracu de canudinho”, os cabelos, “Caralho, como é que não pensei nisso antes?” alguns ossos e partes da pele. Não demorou muito e só o que sobrou do pobre Rodolfo foi sua cabeça, (faltando um olho e uma orelha) que ficava apoiada no encosto do sofá, parte do pescoço, alguns ossos e músculos, e os poucos órgãos vitais que restaram, que foram envoltos em sacos plásticos para não ficarem expostos e ficavam cuidadosamente espalhados sobre o sofá.

- Querido, posso falar com você?

- Rápido, antes que Chapolin volte do intervalo.

- Bem, querido, você sabe que eu fiquei muito feliz com tudo o que você fez, sabe como sou grata por todo o dinheiro que você me deu, mas...

- Mas o quê?

- Mas tudo acaba, não é mesmo?

- Ah, Amélia, vai se fuder! Vai pedir dinheiro pra puta que o pariu! Não tá vendo que eu virei um monte de pedaço de carne espalhado em cima de um sofá? O que mais você quer que eu faça, merda?

- Mas, querido, as mensalidades do clube já estão atrasadas há três meses, há uma semana que não ponho gasolina no Audi, há dois meses que não compro uma roupa nova, a situação tá caótica!

- E daí, porra, e daí? Eu já dei tudo o que tinha que dar, filha! Agora chega, te vira!

- Bem, tudo não...

- Como assim, tudo não? O que é que falta pra vender?

- Seu cérebro.

- Meu cérebro?

- Sim, seu cérebro. Só o que você faz é assistir tv! Desde quando é preciso ter cérebro para assistir tv?

- Bem, isso é verdade...

- E cérebro deve ser coisa que vale muito, se você vender ele juro que nunca mais reclamo de dinheiro.

- Sei... Realmente, esse troço não me serve de muita coisa... E já faz tempo que eu tô tentando matar essas vozes dentro dele que ficam dizendo que eu sou um vagabundo, que eu tô jogando minha vida fora, etc, etc. Além do mais, vai ser uma última grande contribuição à sociedade, e eu vou poder continuar vendo tv e bebendo Caracu, não vou?

- Mas é claro, querido, mas é claro!

Infelizmente, depois de retirarem o cérebro do imbecil os médicos descobriram que ele estava atrofiado demais para ser transplantado, devido ao grande período de inatividade intelectual. Em compensação, a sopa de miolo matou a fome de mais de quarenta mendigos. Rodolfo nunca foi tão útil à sociedade.

4 comentários:

*Fernanda* disse...

HAHAHAHAHAH

Uma salva de palmas para o Rodolfo!! Fez mais benfeitorias à sociedade que o governo!
:D

Beijos! E mais uma vez, parabéns!!

kid_limao disse...

Muito bom o blog, cara.
Tô te linkando no ENTB...
Grande abraço!
Ps: O que você toma pra escrever assim?
HAHA

Anônimo disse...

uhaUHAuhaAuhuhaUHA, muito bom.

emilia disse...

sem comentarios.
só ótimo.
:)