terça-feira, 3 de abril de 2007

Romance in Rio

- Querida, desligue essa TV, hoje vou dar a noite mais romântica de sua vida.

- Ai, querido, que maravilha! Deixa só eu trocar de roupa...

- E que tal vestir isso?

- O que é isso, um presente?

- Sim, abra.

- Um colete à prova de balas da Louis Vuitton! Ai, querido, não acredito! Obrigada, obrigada!

- Ora, tudo pela minha pequena...


E saíram de casa rumo ao restaurante preferido do casal, ela com seu colete à prova de balas novo, e ele com seu melhor terno, até que se deparam com um obstáculo no meio do caminho:

- Ai, meu Deus, veja só, um corpo bem no meio da calçada...

- Não se preocupe, querida, não se preocupe!


E ele rapidamente tirou seu terno Armani e estendeu sobre a poça de sangue, para que ela não sujasse seus sapatos:

- Ai, bebê, que romântico! Você é mesmo um cavalheiro!


Chegaram ao restaurante e se acomodaram em uma mesa do lado de fora, para que pudessem ver a beleza do mar e dos travestis procurando clientes na rua. Ele, claro, pediu tudo de mais caro que havia no cardápio, estava decidido a fazer daquela noite a mais romântica de todas.

- Sabe querida, estamos juntos já há dois anos,e eu tenho pensado em uma coisa...

- O que, bem?

- O que acha de termos um filho?

- Um filho?

- Sim, um filho. Eu adoro crianças e...

- Tio, me arruma uns trocados pra eu comprar um cachorro-quente?

- Ai, caralho, um menino de rua! Chispa daqui, moleque, chispa daqui!

- Pô, tio, to com fome, só queria uns centavos pra...

- POLÍCIA! POLÍCIA!

- Ta bom, porra, ta bom, já to indo, velho filho da puta...

- Bem, o que eu dizia mesmo? Ah, sim, eu adoro crianças, e adoraria ter um filho com você. O que acha?

- Ai, momô, claro que eu quero ter um filho com você!

- Pois isso merece champagne!


Voltaram para casa nas nuvens, aquela estava mesmo sendo a noite mais romântica de todas.

- Que tal uma musiquinha romântica, querida?

- Seria ótimo, querido!


Deu uma olhada na sua coleção de cds: Kenny G, Rod Stewart, Emílio Santiago... Não, nada disso era romântico o suficiente, até que achou o que procurava: “Pancadão Monstro Vol.8”.


Vou mijar na sua boca e cagar no seu umbigo

vou meter no seu nariz e gozar no seu ouvido!”


- Ai, bebê, que música romântica!

- Linda, não é mesmo? Que tal irmos para a varanda apreciar a noite?

- Claro, paixão, vamos lá!

- A noite está mesmo linda...

- Puxa, lindíssima!

- Veja, querida, veja! Tiros traçantes vindo da favela!

- Nossa, mô, que lindo!

- Sim, muito lindo. Veja, aquele é de fuzil Ar-15.

- Ah... E aquele, bem?

- Aquele? É... aquele é de... Uzi.

- Sei... E aquele?

- É... Bem... de 38?

- Ora, amor, você não entende nada de tiros traçantes!

- É, hehe, nessa você me pegou, hehe, não entendo nada mesmo!

- Hahahahaha, ai bebê, eu te amo...

- Eu também te amo, querida...


“O meu pau é grande, muito grosso e não é fino

vou meter no seu cu até rasgar seu intestino!”


Terminaram a noite mais romântica de suas vidas fazendo amor sob a luz dos tiroteios, e viveram felizes para sempre... Até dois dias mais tarde, quando foram fuzilados em uma tentativa de assalto ao seu Mercedes. Esqueceram que o colete à prova de balas não protege a cabeça.

Um comentário:

Paulo Fernando disse...

Gostei da crítica. E ri, ri demais mesmo, com o seguinte trecho de música: "O meu pau é grande, muito grosso e não é fino / vou meter no seu cu até rasgar seu intestino!”

hahha

Abraços!